[novas] O último ícone de Paris

Pierre Bergé, co-fundador e diretor durante 40 anos da grife Yves Saint Laurent, declarou neste domingo (1) que Yves Saint Laurent, que morreu em Paris, revolucionou a alta-costura e acompanhou a evolução das mulheres.

Saint Laurent, 71, morreu em casa. Bergé revelou que o estilista estava doente há um longo tempo. “Estou emocionado e não quero compartilhar nem minha emoção nem minha pena. É algo particular, que conservo para mim”, afirmou a um canal de televisão francês.

O estilista foi por décadas uma instituição no mundo da alta costura devido ao seu estilo inovador. Foi ele que proporcionou uma nova liberdade às mulheres através de suas criações, especialmente o terninho e o famoso “Le Smoking”, apresentado pela primeira vez em 1966.

“Yves Saint Laurent era reservado e tímido, mas também podia ser alegre e divertido. E não se equivocou pois soube acompanhar a evolução das mulheres”.

Saint Laurent tinha uma visão muito particular da elegância, da moda e das mulheres, que dava sentido a sua arte. “A silhueta do corpo conta acima de tudo. Jamais se deve sobrecarregar, não se deve fantasiar muito, isso prejudica o estado de graça tão buscado”.

Bergé disse que Yves Saint Laurent sabia perfeitamente que havia transformado o mundo da moda, que todas as mulheres do mundo lhe devam algo de certa maneira. “Estava consciente e muito contente com isso.”

Segundo Bergé, se houve um modelo emblemático na criação de Saint Laurent, esse seria “Le Smoking”. “É o que mais simboliza a cumplicidade de Yves Saint Laurent com as mulheres”, concluiu.

Ele era considerado o último remanescente de uma geração que inclui Christian Dior e Coco Chanel, que fez de Paris a capital mundial da moda.

O gênio, que se autodefinia como “um provedor de sonhos e de beleza”, vivia, no entanto, no desassossego, afastado do mundo. “Ele nasceu com uma depressão nervosa e congênita”, comentou Bergé em uma ocasião.

Yves Saint Laurent, nascido em Orã (Argélia), chegou a Paris aos 17 anos e logo se tornou colaborador de outro peso pesado da alta-costura, Christian Dior, e virou seu sucessor após a morte do mestre em 1957. Seu primeiro desfile aconteceu em 1958. Em 1961 criou sua própria maison em sociedade com Pierre Bergé.

Em 2002, se despediu das passarelas apresentando no Centro Georges Pompidou um desfile retrospectivo de seus 40 anos de criação.

da Folha Online

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s